Gibson à beira da falência

Por Deca Pertrini

A Gibson, fabricante de guitarras e uma marca icônica entre instrumentos musicais desde 1902, está à beira da falência.

De acordo com o Nashville Post, Bill Lawrence, responsável financeiro da empresa, saiu da empresa apenas seis meses depois de assumir a função, no momento que US$375 milhões em hipotecas estão perto de vencer e outros US$145 milhões de empréstimos bancários devem ser pagos, se não forem refinanciados até Julho.

A saída de Lawrence foi considerada repentina e um reflexo sobre a situação desesperadora que a Gibson enfrenta.
A empresa, que gera US$1 bilhão em receitas por ano, recentemente abandou seus armazéns em Nashville, onde operou desde meados da década de 1980.

De acordo com o Nashville Post, o dono da empresa desde aquela época, Henry Juskiewicz, está tentando reorganizar a empresa, mas está enfrentando uma batalha com credores devido às más decisões de negócios. A empresa recentemente vendeu a Baldwin piano, e espera um aporte de dinheiro das diversas empresas de eletrônicos que comprou nos últimos anos.

A Gibson começou em 1902 em Kalamazoo, Michigan, produzindo diversos instrumentos, incluindo violões e a Les Paul, criada pelo famoso guitarrista Les Paul, que se tornou uma dos instrumentos mais icônicos já criados.

A Gibson Les Paul começou a ser produzida em 1952, e se tornou um símbolo do rock and roll desde então. A empresa também desenvolveu outros modelos icônicos de guitarra, como a SG, Firebird, Flying V e a ES-335, entre outras.

Diversos relatórios, citando experts na indústria da música e mundo dos negócios, apontam para uma possível sobrevivência da Gibson, devido ao valor da marca e tradição, de acordo com a Moody´s, que também citou os balanços financeiros da empresa e problemas de organização como motivos para a crise na empresa.