Graças ao streaming e hits de crossovers entre artistas, a indústria norte-americana de música latina gravada tem grande crescimento de 37% em 2017

No total o gênero arrecadou 2,8% de um total de US$ 8,7 bilhões do mercado de música norte-americano.

A receita de músicas latinas nos Estados Unidos cresceu demais no ano passado, com 37% de aumento a US$ 243 milhões, conseguidos principalmente com streaming de músicas, segundo a RIAA. Isso chega a 2,8% de um total de US$8,7 bilhões do mercado norte-americano de música, que teve um crescimento geral de 16,5% em 2017.

As receitas de streaming do gênero cresceram 54% ano após ano, atingindo uma alta recorde de US$204 milhões e somando 84% do total das receitas de gênero latino.

Entendendo os valores de streaming, assinaturas pagas de streaming aumentaram 83% e foram responsáveis por 49% do total da receita do streaming do gênero latino. Streams apoiados por anúncios em serviços como Youtube, Vevo e Spotify tiveram um impacto significativo na música latina, crescendo 34% a US$45 milhões, somando 19% à sua receita. Em comparação, essa categoria totalizou apenas 8% do mercado norte-americano.

Esses ganhos seguem um outro relatório positivo de 2016 publicado no ano passado, quando se anunciou um aumento de 3% na renda de músicas latinas entre 2016 e 2015, que marcou o primeiro crescimento nas receitas do gênero em mais de uma década.

“2017 foi o ano que a música latina preencheu nossas playlists e dominou as rádios como nunca antes,” disse em uma declaração o presidente e CEO da RIAA, Cary Sherman. “Mais do que qualquer outro gênero, o crescimento em streaming está dando força para o ressurgimento da música latina. É um desenvolvimento muito bem recebido por uma comunidade que resistiu a uma década desafiadora.

O streaming está ajudando a derrubar barreiras entre países e continentes, enquanto gravadoras investem em equipes e recursos para apoiar ambições globais de artistas. Não é um acidente quando uma música chega ao topo de uma playlist global, é o resultado de um time de profissionais dedicados trabalhando para expandir o público de um artista.”

Sherman também lembra que o mercado de música latina está se inclinando “desproporcionalmente” em direção ao mercado de streaming grátis, um reflexo de que isso é um passo adiante.

“Para que o mercado mantenha esse crescimento e para que as gravadoras invistam em e apoiem mais artistas, o campo de jogo deve ser nivelado,”disse. “Isso significa abordar a ‘brecha de valores’ da música, uma prioridade crítica para a comunidade musical global.”

Não é uma coincidência que os serviços gratuitos de streaming tiveram um grande papel no boom da música latina no ano passado, considerando que os clipes tem um papel importante no sucesso dos singles, demonstrado pelo clipe recordista no Youtube para “Despacito”, de Luis Fonsi e Daddy Yankee, que já foi visto mais de 5 bilhões de vezes. Do mesmo jeito, o clipe da música “Mi Gente”, de J. Balvin e Willy William teve um sucesso similar, com impressionante 1,7 bilhões de visualizações.

Em conversa com a Billboard no ano passado, o presidente e CEO da Universal Musica na América Latina, Jesus Lopez, explicou a importância dos clipes para a música latina, dizendo que tanto para “Mi Gente” quando para “Despacito”, os clipes foram “cruciais para desenvolver esses projetos.”

Em outros países, RIAA relata que a distribuição de música Latina pelo SoundExchange em 2017 caíram 13% mas as receitas para a categoria de digital e rádios personalizadas cresceram 34% a US$59 milhões – e a diferença para mais se deu principalmente pelo pagamento direto desses serviços, categorizados como streaming apoiado por anúncios.

Da mesma maneiras, os downloads digitais foram responsáveis por 9% do total do mercado norte-americano de música latina, aumentando 3% ano após ano e destoando da tendência de queda nas vendas no resto do mercado norte-americano. A venda de singles digitais ajudaram nesse movimento, com um aumento de 16%, enquanto a venda digital de álbuns caiu 20%.

As vendas físicas caíram 43%, para apenas US$ 12 milhões.

Fonte: Billboard