O que o Showbusiness deveria saber sobre Music Business?

Esta semana lançamos o curso de Music Business. Era o caminho evolutivo lógico para a ON STAGE LAB. Estamos adorando o desafio.

Temos feras, que sabem tudo sobre o assunto entrando neste barco. Vamos falar aqui sobre as dúvidas que apareceram na semana acerca dos dois mundos.

Um expert em Music Business é expert em Show Business? Não necessariamente. Um profissional do Showbusiness entende de Music Business? Seria lindo que sim, mas raramente entende. São duas ciências que estudam o mesmo objeto. Ou melhor, dois ambientes de negócio que se valem do mesmo ativo. Ambos, aqui partem de um produto artístico- No caso de música, uma banda ou um álbum.

Show Business compreende todas as formas de entretenimento artístico para o público. Nessa cadeia estão a venda de ingresso, marketing, som, luz, cenografia, palco, produção… O ecossistema dos negócios de música é igualmente complexo e ainda mais amplo, uma vez que compreende também o próprio Show Business. A chegada de novas tecnologias não nos deixa enxergar o final de ambas a cadeias.

São universos paralelos e complementares, mas não simbióticos. O gerente do palco, ou até o Produtor geral de um show, muitas vezes nem sonha com tudo o que acontece, todas as receitas, documentos, possibilidades, processo dos negócios de música que começam no estúdio.
Um diretor de label de gravadora, provavelmente não saberá muito sobre a planilha de uma produção de show de seu artista que mais vende.

Pois é… Isto está mudando. Cada vez mais os mundos se aproximam numa dança e o profissional de uma área deve saber cada vez mais sobre a outra. É comum e relativamente tranquilo, migrar de uma área para outra, se você tiver conhecimento e preparo para isto. São cidades que falam a mesma língua mas sob culturas diferentes.

Em Music Business, o artista terá, com sorte, um empresário que cuidará da produtor musical, estúdio, direitos autorais, , sincronização, contrato com gravadora, marketing, distribuição física e digital, streaming e downloads, receitas. O artista é traduzido em fonograma e imagem, conectando-se com o público.

Já no Show Business, o mesmo empresário ( ou outro) do artista sortudo planeja uma turnê, contrata a equipe de produção de 1, 3 ou 30 pessoas dependendo de receitas, do momento do artista e das necessidades do show.
A imagem do artista, é traduzida em show- a experiência do público.

Ah! Reparem… O que as une, é o de sempre e o que nos move: o fã. Afinal de contas, somos dois fios condutores entre o artista e o fã. O primeiro é o cabo do microfone, o segundo é o fio do Ipod.